Escolha uma Página

Borrachas – Qualidade e preço – parte 3

Quais os melhores tipos de borracha para sua academia

Qualidade x Preço – Parte 3

 

Borrachas – Atendendo a alguns pedidos de amigos de um grupo de fitness, o Brasil Fitness, no whatsapp, do qual faço parte, resolvi mudar a estrutura da série de artigos.

 

Iríamos concluir com apenas mais um artigo com conceitos e exemplos, mas, afim de atender esse pedido e elucidar mais detalhes.

 

Também iremos discorrer sobre estes exemplos.

 

Falaremos sobre os itens abaixo – caso tenha um assunto em especial, basta nos solicitar:

 

borracha crua

Borrachas

 

Seja no piso, seja nos equipamentos, nos detalhes e nos acessórios, a borracha é parte integrante de nossos insumos.

 

Além da borracha deixar os produtos mais bonitos, ela ainda é extremamente funcional.

 

Sua principal funcionalidade é proteger do impacto, causando assim menores custos de manutenção em diversas partes.

 

Mas veremos que não é apenas isso.

 

Leia mais sobre a borracha na segunda parte do texto – link.

 

 

Acabamentos para metais – Zinco, Cromo, PU, PVC, etc.

 

Os acabamentos protegem o metal, deixam os itens mais bonitos e aumentam o valor agregado do seu serviços.

 

Iremos, na parte 4 desta série, transcorrer sobre estas coberturas, que, assim como a borracha, causam muita confusão ainda.

 

Falaremos também sobre os tratamentos pré-pintura e das tintas usadas para estes fins, bem como os cortes dos metais.

 

A fitmall só trabalha com produtos de bom valor agregado e com os melhores acabamentos do mercado. Solicite orçamento e consultoria aqui.

 

 

Acessórios – Espumas, estofados, plásticos e demais itens.

 

Possivelmente esse é o assunto mais complexo, pois trata-se de algo “barato” e recorrente, e mais.

 

Tratam-se de materiais que normalmente não são de conhecimento técnico nem dos proprietários nem dos seus técnicos contratados.

 

Portanto, um bom lugar para ser enganado, e obter serviços de péssima qualidade.

 

Bem como produtos do mesmo nível.

 

Falaremos mais sobre eles na parte 6 da série. Consulte nossos serviços.

 

Mas, pelo momento, voltemos ao assunte deste artigo – As borrachas.

 

 

Borrachas – O que são

 

 

Quando pensamos em borrachas, normalmente nos vem a cabeça: Elásticos, pneus, borrachas de lápis, e no nosso mercado, pisos e acabamentos de halteres e anilhas.

 

Porém, este material impressionante é usado em muitos outros componentes, como carimbos, sapatos, roupas, toucas e mangueiras.

 

A borracha tem sido usada há mais de 1000 anos, inteiramente em sua forma natural – O látex.

 

Porém, com o avanço de sua necessidade, o homem começou a sintetizar o componente quimicamente.7

 

Isto acontece em grande parte por consumirmos muito mais do que a natureza pode produzir.

 

Graças, justamente, às incríveis utilidades destes materiais.

 

Comercialmente, as borrachas sintéticas mais importantes são o estireno-butadieno (SBR), poliacrilicos e acetato de polivinila (PVA);


Outros tipos incluem policloreto de vinila (PVC), o poli cloropreno (mais conhecido como neoprene) e vários tipos de poliuretano. 

 

Embora a borracha natural e as borrachas sintéticas sejam semelhantes em alguns aspectos, elas são feitas por processos inteira e quimicamente bem diferentes.

 

Vamos conhecer um pouco mais sobre eles.

 

 

latex seringueira

Extração de látex

Borracha Natural

 

A borracha natural é feita de um líquido branco esbranquiçado e leitoso chamado látex que sai de certas plantas quando você as corta.

 

Dentes-de-leão comuns, por exemplo, produzem látex; se você tirar as hastes deles, você pode ver o látex pingando deles.

 

Em teoria, não há razão para que não pudéssemos produzir borracha crescendo dentes-de-leão, embora precisássemos de montes deles.

 

Embora existam cerca de 200 plantas no mundo que produzem látex, mais de 99% da borracha natural do mundo é feita do látex.

 

Este é produzido por uma espécie de árvore brasileira, chamada Hevea brasiliensis , amplamente conhecida como a seringueira.

 

Este látex tem cerca de um terço de água e um terço de partículas de borracha mantidas numa forma conhecida como suspensão coloidal .

 

A borracha natural é um polímero de isopreno, com a fórmula química (C5H8).

 

Simplificando, ela é composta de muitos milhares de unidades básicas de C5 H8 (o monômero de isopreno), fracamente ligadas para formar longas cadeias emaranhadas. 

 

Essas cadeias de moléculas podem ser separadas e desembaraçadas com bastante facilidade, mas elas retornam juntas se você soltá-las.

 

E é isso que torna a borracha elástica.

 

Neoprene em tiras

Borracha Neoprene

Borrachas Sintéticas

 

Borrachas sintéticas são feitas em fábricas de produtos químicos usando petroquímicos como ponto de partida. 

 

Um dos primeiros (e ainda um dos mais conhecidos) é o neoprene (marca registrada do poli cloropreno), formado pela reação em conjunto do acetileno e do ácido clorídrico.

 

A borracha de estireno-butadieno em emulsão (E-SBR), outra borracha sintética, é amplamente usada para fabricar pneus de veículos.

 

Falaremos mais sobre a história e processos e ao fim do texto falaremos sobre os produtos que utilizamos.

 

Isso é de profunda necessidade para entendermos o que e como compramos estes equipamentos compostos.

 

 

Borrachas – Como são feitas

 

 

Em 1839, o inventor americano Charles Goodyear (1800-1860) desenvolveu o processo de vulcanização (tratamento térmico) que torna a borracha mais dura e durável.

charles goodyear

Charles Goodyear

 

Ele havia passado muitos anos como um inventor em dificuldades, tentando desesperadamente transformar a borracha em um produto útil.

 

E foi então que acidentalmente deixou um pouco de borracha em um fogão quente e a observou “cozinhar”.

 

Ela então transformou-se em uma forma muito mais útil: o material preto vulcanizado.

 

Este é o produto que a maioria de nós conhece hoje simplesmente por borracha.

 

Apesar de desenvolver um dos materiais mais úteis de todos os tempos, Goodyear nunca ganhou muito dinheiro com sua invenção e morreu profundamente em dívidas. 

 

Felizmente, seu nome continua vivo na empresa de pneus Goodyear – e sua excelente contribuição para a tecnologia de materiais nunca foi esquecida.

 

 

Vulcanização

 

 

fórmula borracha vulcanizada

Fórmula vulcanização

 

 

O tipo de borracha que você vê no mundo ao seu redor, em coisas como pneus de carros e bicicletas, é vulcanizado:

 

– Ou seja, cozidas com enxofre (e muitas vezes outros aditivos) para torná-lo mais duro, mais forte e durável.

 

Então, qual é a diferença entre borracha látex, crua e borracha vulcanizada cozida? 

 

Em seu estado natural, as moléculas da borracha são longas cadeias que estão emaranhadas e apenas fracamente ligadas entre si.

É relativamente fácil separá-las – e é por isso que a borracha de látex é tão elástica e alongáveis. 

 

Sendo assim, quando o látex é vulcanizado, os átomos de enxofre adicionados ajudam a formar ligações extras entre as moléculas de borracha.

 

Estas ligações são conhecidas como ligações cruzadas. 

 

Portanto, estas funcionam um pouco como as treliças que você vê em uma ponte, unindo as moléculas e tornando-as muito mais difíceis de separar.

 

Portanto, a vulcanização da borracha nada tem a ver com a injeção da borracha!

 

 

Borrachas – Uma breve história

 

 

  • 1000 anos atrás: índios que vivem nas Américas Central e do Sul aprenderam a fazer roupas e calçados à prova d’água usando o látex de seringueiras. Eles chamam as seringueiras de “cahuchu

 

  • 1731: Durante uma expedição à América do Sul, o explorador francês Charles Marie de La Condamine (1701-74) envia de volta amostras de borracha para a Europa, provocando intenso interesse científico.

 

  • 1770: O descobridor do oxigênio, o cientista inglês Joseph Priestley (1733-1804), descobre que pode usar pedaços de borracha para apagar as marcas feitas a lápis no papel.

 

  • 1791: O inglês Samuel Peal desenvolve um método de impermeabilização de tecido com uma solução de borracha.

 

  • 1818: O estudante de medicina escocês James Syme (1799–1870) usa um pano revestido de borracha para fazer capas de chuva.

 

  • 1823: O escocês Charles Macintosh usando a descoberta de Syme, refina e patenteia o produto, ganhando fama e fortuna como inventor do revestimento emborrachado e impermeável.

 

  • 1829: O químico e físico inglês Michael Faraday (1791-1867) analisa amostras de Hevea e conclui que a fórmula química para a borracha do tipo isopreno é C5H8 .

 

  • 1839: O inventor americano Charles Goodyear (1800-1860) acidentalmente descobre como vulcanizar a borracha depois de deixar cair um pedaço do material (que foi tratado com enxofre) em um fogão quente.

 

  • 1830 ~ 1840: O botânico Thomas Lobb descobre uma substância emborrachada chamada Gutta-percha ( Palaquium gutta ) na Malásia; Dr. William Montgomerie , um cirurgião que trabalha na mesma região, envia amostras de volta à Grã-Bretanha em 1843. De acordo com um relato contemporâneo de William Dalton , tem “propriedades notáveis, vasta utilidade e aplicação para fins científicos e ornamentais” em tudo, desde “botas e sapatos e prevenção de dor de dente.”

 

  • 1876: O intrépido explorador inglês Sir Henry Wickham (1846-1928) contrabandeia milhares de sementes da seringueira Hevea brasiliensis para fora do Brasil e de volta para a Inglaterra. Os ingleses cultivam as sementes em Kew Gardens, nos arredores de Londres, e as exportam para vários países asiáticos, estabelecendo as gigantescas plantações que agora fornecem grande parte da borracha do mundo.

 

  • 1877: O fabricante americano de borrachas Chapman Mitchell desenvolve o primeiro processo comercial de reciclagem de borracha do zero.

 

  • 1882: John Boyd Dunlop (1840-1921) inventa o pneu de borracha pneumático. O desenvolvimento de carros com pneus de borracha leva a um aumento enorme na necessidade de borracha.

 

  • 1883: O químico norte-americano George Oenslager (1873-1956) desenvolve uma maneira muito mais rápida de vulcanizar a borracha usando produtos químicos.

 

  • 1906–12: A Bayer , uma empresa química alemã, desenvolve borracha metílica (um polímero de metil isopreno). Torna-se criticamente importante para a Alemanha durante a Primeira Guerra Mundial, quando o fornecimento de borracha natural é cortado, mas fica fora de moda quando melhores alternativas são eventualmente desenvolvidas.

 

  • 1910: O químico inglês Pickles SS torna-se a primeira pessoa a propor (corretamente) que a borracha consiste em longas cadeias de isopreno.

 

  • 1930: A empresa química alemã IG Farben desenvolve um tipo de borracha sintética de uso geral chamada Buna-S (“bu” do butadieno, “na” do símbolo químico do sódio e “S” do estireno). Tecnicamente, é um copolímero de butadieno (75%) e estireno (25%), e é por isso que agora é mais conhecido como estireno-butadieno ou borracha de estireno-butadieno (SBR); também é vendido sob nomes comerciais como o Neolite® da Goodyear. Hoje, o estireno-butadieno continua a ser, de longe, a borracha sintética mais importante do mundo.

 

  • 1930: Uma equipe de químicos dos EUA na empresa DuPont, liderada por Wallace Carothers (1896-1937), desenvolve uma borracha sintética revolucionária chamada poli cloropreno que é vendida como neoprene. (Pouco tempo depois, o mesmo grupo desenvolveu um material ainda mais revolucionário: o nylon .)

 

  • 1940: Borrachas sintéticas são produzidas nos Estados Unidos pela primeira vez por empresas como Firestone, Goodyear e Goodrich.

 

 

Borrachas – Uso no fitness

 

Como vimos, são ilimitados os números e tipos de borrachas.

 

Isso nos leva a um ponto ainda mais complexo ao falarmos nas linhas fitness.

 

Sendo então, a parte mais importante, injeção e vulcanização não tem absolutamente nada uma com a outra.

 

Ou seja, possivelmente todas as borrachas usadas em nosso mercado são vulcanizadas.

 

Isso então parte do princípio de que, para se fazer a moldagem do material, portanto, a borracha precisaria estar quente.

 

Além disto, a borracha natural tem cheiro ruim e pouca dureza e durabilidade.

 

Traçarei, na parte 4 da série, um comparativo a partir de conhecimentos do mercado geral para auxiliar a sua decisão de compra a partir dos seus diferenciais.

 

 

Série de artigos – Qualidade x preço:

 

Parte 1 – Definições de qualidade e preço

 

Parte 2 – Qualidade e preço no fitness

 

Parte 3 – Qualidade e preço – A borracha e seus processos – você está lendo

 

Parte 4 – Qualidade e preço – As borrachas no fitness

 


 

 

nossa razao

Nossa razão de existir

 

 


 

Anterior

Próximo

Enviar Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

× Como podemos ajudá-lo?